Transição Socialista

bonapartismo

01.08.2017 - Editoriais

Abaixo o golpe de Maduro na Venezuela!

O Congresso venezuelano está praticamente fechado, já há mais de 3500 presos políticos e mais de 120 mortos pelas mãos do regime de Maduro e de suas milícias para-estatais. Oposição silenciada, à esquerda e à “direita” (para usar as palavras dos chavistas). No domingo, 30/07, realizaram-se as eleições para a constituinte farsesca que deve servir para garantir o controle do Estado burguês nas mãos da burocracia chavista. Como já havíamos notado na conjuntura brasileira (no caso do impeachment da Dilma), a suposta “esquerda” que vergonhosamente ainda apoia Maduro desaprendeu a definir um golpe e uma ditadura.

21.03.2017 - Editoriais

A futura ditadura de Lula

1. Diluição do sistema político e erguimento de uma figura, Lula, como necessidade lógica; 2. fim do regime do Estado Democrático de Direito (no qual todas as frações burguesas estão representadas) em nome de um regime de Estado mais centralizador e repressor dos menores setores burgueses; ou seja: migração do regime democrático burguês para um regime ditatorial burguês (uma forma mais explícita e direta da ditadura da classe burguesa); 3. criação e mobilização de bandos de combate à classe trabalhadora, a partir da estrutura das burocracias sindicais (CUT, CTB e outros), bem como dos movimentos que trabalham com proletários empobrecidos (MST, MTST e outros), dependentes de políticas do Estado burguês.

04.04.2016 - Produções teóricas

A crise no Brasil: o fim de um ciclo histórico da dominação burguesa

O texto que ora publicamos, do professor Dr. Hector Benoit, é uma análise de fundo sobre a atual conjuntura. A análise foi produzida em 2006. Apesar de ter já 10 anos, a análise é clarividente e plenamente atual. É com base nela que o MNN, ainda hoje, formula suas políticas de atuação na atual conjuntura de crise do governo petista. Ao final deste texto contamos ainda com um “apêndice” produzido pelo professor Benoit para esta publicação.

17.03.2016 - Editoriais

O projeto proto-fascista de Lula

Os grampos do telefone pessoal de Lula, divulgados nesta quarta-feira, dia 16/03, revelam que esse senhor não tem apreço algum pela democracia burguesa. Lula não é um democrata-burguês; atacou praticamente todas as instituições democráticas da burguesia: o STF, a Câmara, o Senado, a Procuradoria-Geral da República, o novo Ministro da Justiça, etc. Todos são “frouxos”, “acuados”, com medo da “República de Curitiba”. Para Lula seria preciso um homem de coragem — ele próprio — para enfrentar o descalabro.

26.10.2015 - Editoriais

Lulismo e “Fora Dilma”

A despeito das análises que tomam o “lulismo” como consumado, esse fenômeno ainda não surgiu propriamente. Os elementos para que surja, é verdade, existem. Na tradição latinoamericana, em geral, aplica-se o -ismo a governos que negam a institucionalidade democrático-burguesa. São governos de caudilhos, mais ou menos arbitrários, autoritários e autocráticos. Fala-se, por exemplo, de “populismo” e lembra-se, em geral, do varguismo e do peronismo (para ficarmos nos casos mais conhecidos no nosso continente).

01.08.2009 - Revista Maisvalia

Revista Maisvalia6

A revista Maisvalia foi uma publicação quadrimestral, que começou a ser lançada em 2007 e durou até 2010, totalizando 9 números. Por conter artigos de grande valor, publicaremos o arquivo digital da revista nesta e nas próximas semanas.

11.12.2006 - Produções teóricas

Lições do golpe de 1973 no Chile

Texto do antigo Comitê Internacional da Quarta Internacional, escrito em 18 de Setembro de 1973 1. Introdução Relembramos agora os eventos que levaram o general chileno Augusto Pinochet ao poder em 1973. O golpe no Chile foi um dos episódios mais trágicos que resultaram das ações do stalinismo e do […]